quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Diretor de prisão mantem tv ligada em canal evangélico 24 horas por dia: “no máximo podem tirar som e brilho na hora de dormir”


Uma das principais denominações evangélicas de Belo Horizonte (MG), a Igreja Batista da Lagoinha, bancou a instalação de TVs LCD de 32 polegadas em todas as celas de uma prisão da cidade.

Os aparelhos ficam praticamente o tempo todo sintonizados na emissora da igreja, a Rede Super.

Os presos do Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) São Cristóvão não têm a opção de desligar a TV -no máximo podem tirar som e brilho na hora de dormir- e o controle de canais é feito na sala do diretor, Luís Fernando de Sousa, membro da igreja.

Em funcionamento desde 3 de outubro, o sistema é considerado um sucesso pelo governo mineiro, que o está levando para outras unidades.

Segundo Sousa, as TVs levam tranquilidade às dez celas do local e deixam os detentos “amparados espiritualmente”. Ele disse que a igreja propôs a instalação.

“Você chega na cela e está todo mundo quietinho, de olho na TV. Mudam a forma de conversar, falam “bom dia, senhor diretor, tudo bem?” É gratificante.”

O diretor contou que a Rede Super fica no ar “24 horas, praticamente”. A preferência, disse, não foi imposição da igreja, mas escolha “natural”, já que a Rede Super não tem “pornografia nem apologia ao crime”. O canal exibe os cultos da igreja.

Ele disse que abre espaço para as emissoras católicas Rede Vida e Canção Nova e, recentemente, para a TV Justiça e para um canal educativo. Um preso disse à Folha, porém, que são raros os momentos sem a Rede Super.

Sousa descartou exibir outros canais por terem “muita droga e crime” e passarem programação “não salutar”.

Outro argumento é que o Ceresp é um centro de triagem e os presos costumam ficar lá só cerca de uma semana. “É o tempo que tenho para plantar a semente”, disse.

Sousa guarda em sua sala uma coleção de DVDs que exibe para os presos, por passarem “mensagem boa”.

São filmes bíblicos na maioria, mas também sobre vida animal e sucessos como “À Espera de Um Milagre”, que se passa em uma prisão e emocionou os detentos, de acordo com Sousa. “O cara está preso e vou passar “Fuga de Alcatraz’?”

MULHER NUA E GUGU

O diretor disse que só tem ouvido elogios, mas, ao visitar o local, a Folha viu que o projeto não é unanimidade. O preso Marcelo Corrêa disse sentir falta de poder mudar de canal: “Queria ver o que acontece no mundo”.

O Ceresp abriga presos célebres, como Sérgio Sales (primo do goleiro Bruno), Thales Maioline (chamado de “o “Madoff mineiro”) e membros da torcida organizada Galoucura, do Atlético-MG, suspeitos de matar um torcedor do Cruzeiro.

Roberto Augusto Pereira, o Bocão, presidente da Galoucura, disse sentir falta de assistir a notícias e jogos de futebol. “Mas já adianta para passar o tempo”, afirmou.

Entre os satisfeitos com a programação evangélica está Denison Balbino, preso sob suspeita de tráfico de drogas, que disse ter se reencontrado com a religião graças à TV.

“A religião é um fator de refreio social. A gente aprende isso em sociologia”, afirmou o diretor Sousa.

Ele rechaça ceder aos apelos de liberar a programação. “Eles não têm instrução, não estão preparados para escolher o que é bom, vão querer ver programa com mulher nua e o do Gugu”, afirmou.

Sousa disse não acreditar que restringe a liberdade dos presos e que faz o mesmo que prisões que obrigam os detentos a trabalhar ou estudar.

O subsecretário de Administração Prisional de Minas, Genilson Zeferino, disse que a parceria com a igreja é “fantástica” e que as TVs são uma “peça fundamental na humanização” dos presos.

O juiz Márcio Fraga, do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), disse considerar “imprópria e absurda” a medida. Apesar de afirmar que as TVs podem tranquilizar os presos, ele lembrou que o Estado brasileiro é laico.

Fonte: Folha / Gospel+
Postar um comentário